segunda-feira, 29 de setembro de 2008

Familiares de vítimas do acidente da Gol procuram ajuda psicológica

Boeing caiu em região de mata fechada, em MT, há dois anos.

Professora diz que filhos passaram a ter medo de andar de avião.


A queda do Boeing da Gol que fazia o vôo 1907, em 29 de setembro de 2006, marcou o início da crise aérea no país e mudou a vida de muitos brasileiros. A aeronave caiu em uma região de mata fechada no Norte de Mato Grosso, depois de bater em um jato Legacy. Cento e cinqüenta e quatro pessoas morreram. Parentes das vítimas contaram ao G1 o que fizeram para tentar se adaptar à rotina depois da tragédia.

Avião da Gol caiu em área de mata fechada, em setembro de 2006

O acidente provocou a perda de uma pessoa querida para a professora e psicóloga Ester Beyer, 45 anos. Ela perdeu o marido Hugo Otto Beyer, 49 anos. Acostumada, por razões profissionais, a fazer constantes vôos nacionais e internacionais, ela se viu diante de um novo desafio em sua vida quando teve de optar por continuar o trabalho ou se abater e ficar em casa.

“Eu e meu marido sempre tivemos uma vida profissional muito agitada, principalmente com viagens de avião. Com o acidente, tive receio de voar. Eu tive de escolher entre parar de trabalhar, pois não conseguiria fazê-lo sem os vôos, ou me adaptar à nova rotina”, disse Ester, que trabalha com música para bebês na Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Ela disse ao G1 que optou por uma ajuda psicológica, até os dias atuais, para continuar a trabalhar e cuidar dos dois filhos, que também sofreram com a morte do pai. “Faço terapia intensiva até hoje, mas o problema maior ocorreu com meus filhos. A mais nova (Débora) tinha 11 anos quando tudo aconteceu. Ela não queria me deixar voar mais. Quando ela tinha 12 anos, aconteceu o acidente com o avião da TAM. Foi um drama”, afirmou Ester.

Rituais para perder medo de avião

A professora lembra que a solução imediata que encontrou para cuidar da filha foi levá-la junto com ela aos compromissos que demandavam deslocamento aéreo. “Ela passou a ter medo de avião e adotou alguns rituais para conseguir suportar o vôo. Quando tivemos de ir à Itália, por exemplo, minha filha colocava tampão nos ouvidos, fechava a janela, mascava chiclete e lia livros com frases positivas. Tudo isso para lidar com a situação”, afirmou Ester.

“O meu filho, Samuel, tem 20 anos hoje. Quando o acidente aconteceu, ele tinha 18. Naquela época, ele viajaria para a Alemanha, onde passaria um tempo. O pai antecipou o vôo para ficar um dia com ele, mas não teve oportunidade de fazer isso por conta do ocorrido. A cabeça de meu filho ficou bastante confusa”, lembrou a professora.

Ester disse que o filho só voou duas vezes após o acidente. “Ele foi até Brasília acompanhar de perto a investigação do caso. Foi e voltou. Depois disso, nunca mais entrou em um avião. Foi tudo muito traumático e ainda é. A perda é muito grande. Temos muita fé, nos apegamos em Jesus Cristo.”

Força na dor das famílias

É triste, porque as coisas não foram resolvidas por completo ainda. Não pensamos só em nós, em nossa família, pensamos no sistema aéreo como um todo. Outras famílias, que não sofreram perdas como nós, voam pelo país e outros países, assim como nós também não podemos deixar de viajar”, disse Neusa Felipetto Machado, 58 anos, viúva de Waldomiro Henrique Machado, 61 anos.

Neusa disse que cada dia que passa sente uma dor maior. “Cada minuto é mais angustiante que o outro. Sempre buscamos forças de um e de outro, em outras famílias que também sentem a mesma dor. Encontramos forças, neste dois anos, na esperança de um futuro melhor, mas a tristeza ainda é muito grande”.

Ela revelou ainda que o fato de ter três filhos também é uma das razões para ter coragem e enfrentar o dia-a-dia. “Os meus filhos são uma herança rica que meu marido deixou (Machado). Hoje, felizmente, tenho quatro netos. Um deles faz pouco tempo que nasceu. Isso nos dá uma alegria muito grande”, afirmou Neusa.

'Parece que foi ontem'

Angelita Rosicler de Marchi, presidente da Associação de Familiares e Amigos das Vítimas do Côo 1907, disse que teve muita dificuldade para voltar a ter uma rotina. "Parece que foi ontem. Muito tempo já passou, mas é muito difícil voltar a uma rotina normal, como era antes do acidente. Tudo parece muito claro em minha cabeça", disse.

Ela é viúva do executivo Plínio Luiz Siqueira Júnior e contou ao G1 que buscou apoio psicológico para superar a falta do marido. "Tem sido de muita importância para mim. Não vejo como parar com esse tratamento por enquanto. Tinha um relacionamento, um convívio muito bom com meu marido."

Fonte: G1 - Foto: Divulgação (Bombeiros de Sinop)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário